Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘cocô’

Ingestão de corpos estranhos é relativamente comum e pode causar problemas

EXCLUSIVO | VOCÊ sabia que o cocô do seu cachorro pode ser um grande indicador da saúde do seu bicho? Isso porque fezes saudáveis tem forma, consistência firme e são brilhantes. Sendo assim, se ao catar a cáca do seu cachorro você notar que ele está com diarréia com ou sem muco ou sangue, aumentou a frequência de defecações, está com dificuldade para defecar ou ainda barulhos abdominais, é melhor consultar um veterinário.

“SÃO os donos que, geralmente, percebem as alterações no cocô e os principais sinais de doenças”, explica a médica veterinária Elaine Pessuto, coordenadora do curso de auxiliar veterinário do Centro de Ensino e Treinamento em Anatomia e Cirurgia Veterinária (CETAC).

Fezes caninas saudáveis tem forma, consistência firme e são brilhantes

CAUSAS de problemas intestinais

ALIMENTOS estragados, fermentados ou contaminados são as principais causas de problemas intestinais. “Mas alguns animais são sensíveis aos componentes da ração e alérgicos aos tipos de proteínas utilizadas”, lembra a médica veterinária. Nestes casos, o médico irá indicar uma investigação mais profunda e uma dieta alternativa.

MAS segundo Elaine, existem muitas doenças que acometem os intestinos dos cães, sendo que os principais agentes infecciosos são parasitas e bactérias. Outra possibilidade são as doenças auto imunes, como a diabetes, e vários tipos de câncer.

ATENÇÃO extra

A INGESTÃO de corpos estranhos também é relativamente comum em cães, principalmente filhotes e raças agitadas. “Esses objetos podem obstruir parcialmente ou até mesmo totalmente, nesses casos temos uma emergência cirúrgica”, explica. Alguns animais ingerem corpos estranhos perfurantes que são extremamente perigosos, podendo levar a rupturas intestinas. Sendo que alguns objetos são mais perigosos do que outros. “Pilhas, baterias e moedas, mesmo pequenas, liberam metais pesados que são altamente tóxicos”, adverte a médica veterinária do CETAC.

CONFIRA também no CaninaBlog:

Invenção transforma a cáca do cachorro em cinzas

Soluções ecológicas para a cáca canina

“Meu cachorro come as próprias fezes”

Ensinando um cão adulto a fazer xixi no lugar certo

Read Full Post »

Uivar é uma herança dos lobos que usavam o som para se comunicar

EXCLUSIVO |  ELES são chamados de melhores amigos dos homens e até de membros da família. Enfim, são nossos filhos caninos. Por esta razão, muitas vezes os tratamos como humanos, batemos altos papos com nossos cães e até os vestimos da mesma maneira que nós, os humanos.

ESTA transformação na maneira como tratamos nossos cães ao longo de cerca de 14 mil anos de convivência, entretanto, mudou praticamente só do lado humano. O cachorro que conhecemos hoje pouco mudou desde então. “Nossos cães hoje compartilham 98% dos padrões comportamentais dos lobos”, afirma o especialista em comportamento animal Gustavo Campelo.

A ORIGEM

A RELAÇÃO entre humanos e lobos começou por uma questão de sobrevivência. Enquanto hoje encontramos nos cães uma companhia contra a solidão, no começo o mais provável é que os lobos se beneficiavam dos restos de alimentos, enquanto os homens se aproveitavam da segurança que os lobos proporcionavam. “A partir de então, os mais mansos e sociáveis começaram a interagir com os homens”, explica Campelo.

POR SELEÇÃO natural, os lobos mais calmos e menos medrosos tinham mais chances de se relacionar com os humanos. “Além disso, a neotenia, que é a presença de características de filhotes mesmo em animais adultos, começou a acontecer. Lobos com orelhas e focinhos mais arredondados e maiores, assim como bichos cada vez mais brincalhões, se aproximaram do homem.”

QUASE um lobo

Girar e girar antes de deitar para dormir dos cães é herança dos seus ancestrais

ESSAS mudanças físicas e comportamentais, entretanto, correspondem a apenas 2% do cachorro moderno – até mesmo aquele que aparentemente se comporta como gente. Para quem duvida, Gustavo Campelo lembra que a mais forte marca que é herdada dos lobos é a formação de matilhas com hierarquia bem estabelecida.

MAS podemos citar muitas mais, como uivar olhando para a lua, imagem que ligamos, muitas vezes, aos lobos. “Alguns cães se comportam dessa maneira para reunir o grupo para caçar, já que nas noites de lua cheia é possibilidade de sucesso é maior. O uivo é um excelente meio de comunicação principalmente quando não é possível ter contato visual”, explica. Mas atenção: cães também podem uivar quando existem fêmeas no cio por perto.

GIRAR e girar no local de dormir antes de se deitar, enterrar a urina e as fezes, também são comportamentos herdados dos lobos. O primeiro servia para ajeitar o local de dormir e tirar pedras e plantas que poderiam incomodar. O segundo é para esconder as necessidades, pois são indícios para predadores maiores que lá existem lobos. O interessante é que ainda hoje os cães tentam cavar e esconder as necessidades mesmo quando estão em um piso duro, como asfalto ou cimento. “Entre os lobos, somente os lideres deixavam suas necessidades a mostra marcando o território e os subordinados escondiam suas necessidades”, relata Campelo.

CONFIRA mais posts com o especialista em comportamento animal Gustavo Campelo no CaninaBlog:

Gustavo Campelo: Quintal ou dentro de casa?

Cachorros e bebês: Preparação e chegada do novo filhote

Gustavo Campelo: Você se comunica com seu cachorro?

Documentário imperdível sobre a relação humana-canina

Read Full Post »

EXCLUSIVO | DAR a preferência na fila para pessoas mais velhas, dizer “bom dia” e obrigado”, lavar as mãos antes de comer e não jogar lixo na rua. Todas estas lições são ensinadas, mas nem sempre aprendidas, quando somos crianças. Para quem já chegou a fase adulta e ainda não entendeu que a minha liberdade vai até a liberdade do próximo, o videoblog TemporadaFora criou uma série de vídeos que tem como objetivo conscientizar o público sobre temas relacionados ao meio ambiente e bem viver.

SEMPRE com muito bom humor e com animações rápídas, o videoblog já dispõe de duas animações que falam sobre a importância de se acabar com os campos minados – uma braincadeira sobre os cocô de cães deixados pelas calçadas) e também sobre o abandono de animais. “Brincadeiras a parte, as fezes não recolhidas podem ter muitas consequências negativas para a comunidade”, avisa a equipe do TemporadaFora.

“ALGUMAS pessoas pensam que não há problema em deixar o cocô de cachorro, porque se desintegra naturalmente. No entanto, o processo de biodegradação é muito lento, e especialmente em locais onde a população de cães é alta, o cocô de cachorro abandonado pode acumular muito mais rápido do que se imagina”, diz o texto que acompanha o vídeo.

PARA conferir os dois vídeos do TemporadaFora, clique na imagem de abertura e no final deste post.

Read Full Post »

EXCLUSIVO | OS PARQUES de São Paulo são o principal ponto de encontro da cachorrada. Locais como o Parque da Aclimação e Ibirapuera, ambos na zona sul, recebem milhares de pets de todos os portes semanalmente. E o que a cachorrada deixa de presente? Cerca de 25 kgde dejetos, segundo uma pesquisa feita pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Prestação de Serviços de Asseio e Conservação e Limpeza Urbana de São Paulo (SIEMACO).

QUAL destino dar ao cocô da cachorrada não é um problema exclusivo brasileiro. Talvez por isso tenha surgido tantas soluções para esta questão fedorenta (confira links sobre o assunto no final deste post).

Fabricante afirma que a cáca é transformada em cinzas sem cheiro algum

A ÚLTIMA novidade vem de Israel. A Paulee Clean Tem desenvolveu o primeiro dispositivo do mundo que remove e acaba com o cocô do cão em tempo real, no local onde ele ocorreu. Tudo isto sem contato humano ou poluição ambiental, garante a empresa. A invenção, que ainda está em fase experimental, foi batizada de AshPoopie (algo como “cinzas do cocô” em português).

A GERINGONÇA funciona da seguinte maneira: basta inserir um cartucho contendo as cápsulas especiais do AshPoopie no aparelho. Quando seu cão soltar aquele montinho, basta pressionar um botão no dispositivo e o braço do AshPoopie abre e se estende sobre o cocô. A cápsula então é liberada do cartucho e se mistura com o dejeto, tudo isto em alta velocidade. Em menos de um minuto, a cáca foi transformada em cinzas e você pode eliminar de forma segura as cinzas 100% estéril e sem cheiro.

A NOVIDADE será lançada mundialmente no primeiro semestre de 2012 e o preço ainda não foi divulgado. Para conferir como funciona, clique aqui ou na imagem de abertura deste post e assista o vídeo demonstrativo.

LEIA também no CaninaBlog:

Dia das Crianças: Brinquedo ensina a recolher cáca

Soluções ecológicas para a cáca canina

Uma alternativa ecológica para recolher o cocô

“Meu cachorro come as próprias fezes”

Read Full Post »

Vencedora da promoção levará para casa um brinquado Rex Pum Pum da Grow

EXCLUSIVO | O CANINABLOG e a marca de brinquedos Grow vão ajudar  mais uma criança a sorrir nos próximos dias. É que chegou a hora de revelar o nome do vencedor da promoção de Dia das Crianças que começou no último dia 7 de outubro aqui no CaninaBlog. A ideia da promoção era reunir algumas histórias marcantes que vivemos com cães na nossa infância.

A ESCOLHA foi difícil, mas a vencedora da promoção ganhou por sua história emocionante de amizade entre dois cachorros. “Tive outros cães antes deles, mas eles foram os que mais mexeram comigo. A amizade deles me ajudou muito entender o valor da amizade, do amor e do carinho”, relata a vencedora da promoção:

VENCEDORA: Michelle Sotelo

O PRÊMIO faturado pela Michelle é o brinquedo Rex Pum Pum da Grow. No formato de um cachorro que adora comer, soltar “pum” e também objetos mais sólidos, o brinquedo ensina às crianças o que todo adulto deveria saber: tem que recolher a cáca do seu cachorro na rua.

A VENCEDORA tem até o dia 21 de outubro para mandar para este e-mail renata.faggion@gmail.com o endereço para envio do prêmio. Parabéns Michelle!

CONFIRA mais sobre esta promoção:

Promoção do Dia das Crianças com Grow e CaninaBlog

Dia das Crianças: Brinquedo ensina a recolher cáca

Read Full Post »

Rex Pum Pum é um lançamento da Grow, indicado para crianças de 4 até 8 anos

EXCLUSIVO | UMA das datas mais aguardadas pelos pequenos está chegando. E para comemorar o Dia das Crianças, a fabricante de brinquedos Grow e o CaninaBlog se uniram para presentear um dos nossos leitores e seguidores.

O PRÊMIO não podia ser mais divertido e cachorreiro, trata-se do Rex Pum Pum da Grow. O brinquedo é no formato de um cachorro que adora comer, soltar “pum” e também objetos mais sólidos. O brinquedo ensina as crianças aquilo que todo adulto deveria saber: tem que recolher a cáca do seu cachorro na rua.

COMO participar

PARA concorrer a um (1) Rex Pum Pum da Grow é muito fácil. Basta curtir e deixar um depoimento neste post ou no Facebook do CaninaBlog contando alguma pequena, mas emocionante história da sua infância em que um cachorro teve papel fundamental. O depoimento mais bonito ou emocionante levará para casa um Rex Pum Pum.

VOCÊ tem até o dia 13 de outubro de 2011 para contar sua história. Então não esqueça: dê um curtir neste post, escreva sua história infantil mais emocionante e aguarde. Quem sabe não será você que levará o Rex Pum Pum para casa ou para presentear uma criança carente? No dia 14 de outubro você saberá o resultado desta promoção.

VEJA também no CaninaBlog:

Dia das Crianças: Brinquedo ensina a recolher cáca

Brinquedos que divertem e ensinam a cachorrada

Read Full Post »

Saquinhos se decompõem sem deixar resíduos nocivos ao meio ambiente

EXCLUSIVO | SACOLAS plásticas estão com os dias contados. Agora a onda verde é usar as sacolas ecológicas feitas de tecido e que podem ser usadas diversas vezes. Uma das primeiras cidades brasileiras a dar fim às milhões de sacolas usadas diariamente no Brasil é São Paulo. A cidade sancionou uma lei que determina que, a partir de janeiro de 2012, está proibida a distribuição de sacolas plásticas por estabelecimentos comerciais.

SUPERMERCADOS, petshops, lojas, todos têm até o fim deste ano para se adequarem às novas exigências. Mas surge um novo problema: como milhares de donos de cachorro recolherão o cocô nas ruas da cidade? Afinal, atualmente, as sacolinhas são o principal material usado para este fim.

VÁRIOS condomínios da cidade de São Paulo já se anteciparam e se adaptaram à nova lei. Eles contam com o Acacabou, um dispenser que permite a retirada de saquinhos oxibiodegradáveis, que se decompõem sem deixar resíduos nocivos ao meio ambiente.

O PRODUTO foi lançado pela Wesco no início deste ano e tem sido instalado nos condomínios próximo aos elevadores ou portaria, justamente para facilitar a retirada dos saquinhos pelos moradores que saem para passear com os pets. “O Acacabou é uma alternativa prática e sustentável não só para os donos de cães, mas para todos os moradores do condomínio e do bairro, que poderão caminhar por ruas limpas, sem moscas e com menos enchentes, uma vez que nossos saquinhos não entopem bueiros por se degradarem em um curto espaço de tempo”, explica diretor comercial da Wesco, Wesley Garcia Gomes.

O ACACABOU também é vendido pela Wesco para o consumidor final, ou seja, o dono do pet. O dispenser custa R$ 170 e vem com 500 saquinhos. Ao término dos saquinhos, o dono pode solicitar a reposição, sendo que o pacote com 1 mil sai por R$ 95. No vídeo abaixo você pode conferir o Acacabou sendo testado pela apresentadora Ana Maria Braga no programa Mais Você, exibido pela rede Globo.

CONFIRA também no CaninaBlog:

Pelo bem de todos: sorria e recolha a cáca do seu cachorro

Nós testamos o Poop Dog

Para recolher a cáca com bom humor

Testamos o catador de cocô da Dog’s Care

Read Full Post »

QUEM bancar o espertinho e não recolher o cocô do seu cachorro no parque Parque Guinle no Rio de Janeiro vai ficar R$ 150 mais pobre. Este é o aviso de uma placa instalada pela Secretaria municipal de Promoção e Defesa dos Animais há poucos dias no local.

A ESPERANÇA é de que o exemplo carioca seja replicado em todos os parques do Brasil. Pelo bem de todos os frequentadores e dos próprios cachorros.

(Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia)

LEIA também no CaninaBlog:

Pelo bem de todos: sorria e recolha a cáca do seu cachorro

Para recolher a cáca com bom humor

Como está o cocô do seu cachorro?

Read Full Post »

Ração de baixa qualidade e carência podem causar o problema de comportamento

EXCLUSIVO | A FRASE acima causa nojo em qualquer pessoa. Mas esse comportamento repulsivo é tão comum que ganhou até nome: coprofagia. Vítima dessa situação, um leitor do CaninaBlog nos escreveu pedindo ajuda. “Tenho uma Dachshund e gostaria de saber o que posso fazer para acabar com sua mania de comer as próprias fezes”, escreveu Eduardo Penna.

A VETERINÁRIA Alessandra Keidann, da Bolicho do Bicho, comenta que é super comum proprietários procurarem sua ajuda para sanar este problema. Segundo a veterinária, a primeira coisa a se verificar em um caso de coprofagia é se o animal está se alimentando de ração de boa qualidade e indicada para seu porte e idade, seguido do protocolo de vermifugação. “Se este não é o problema da Dachshund do Eduardo, precisamos de um grande empenho do proprietário para resolver este problema”, avisa.

O INÍCIO de tudo

A COPOFRAGIA é um problema que geralmente começa quando o cachorro é ainda um filhote e, se não for tratado, pode persistir por toda a vida. Tudo começa no período de desmame, inclusão da ração e adaptação à nova família, quando o filhote sofre um grande estresse. “Há alguns dias ele mamava leite, o alimento perfeito e quentinho em sua mãe, e agora, em um lugar estranho e frio lhe oferecem uma ração seca e sem graça”, descreve Alessandra. Pode parecer nojento aos nossos olhos, mas um cocozinho morno, “cheiroso” e cheio de nutrientes (resultantes de uma digestão ainda imperfeita da ração) parece mais atrativo ao filhote.

UMA brincadeira nojenta

A SEGUNDA razão mais comum para um cachorro desenvolver esse distúrbio de comportamento é pura carência. “Ele logo descobre que comendo as fezes ele chama sua atenção”, conta a veterinária. E quando ele percebe que você vem correndo em sua direção quando “apronta”, você acaba só estimulando o comportamento.

Problema geralmente começa quando o cachorro é ainda um filhote e está no período de desmame

O TRATAMENTO

O PRIMEIRO passo para mudar esse comportamento é fazer um retrospectiva e tentar identificar onde e quando o problema surgiu. Com essa informação o veterinário terá mais facilidade em organizar o manejo. Uma das soluções possíveis é oferecer uma ração de qualidade ao filhote e na quantidade indicada desde a infância. “Esse tipo de alimento contém tudo o que o cão necessita e não deixa sobrar grande quantidade de nutrientes nas fezes, tornando-as menos deliciosas ao paladar do bicho.”

AO mesmo tempo, é preciso mudar a rotina de coleta de fezes. Assim que você verificar que há cocô no jardim ou no jornal, atraia o cão para outro cômodo da casa e colete sem que ele veja. “Isso impede que comer as fezes vire uma brincadeira de quem chega mais rápido”, explica Alessandra. E lembre-se que a correção de comportamento leva tempo, por isso não espere começar hoje e obter resultados amanhã.

DICA extra da veterinária: Há no mercado um medicamento chamado Coprovet que altera o gosto das fezes, tornando-as amargas. No entanto, para que estes comprimidos tenham efeito, todas as medidas de manejo indicadas pela veterinária devem ser adotadas simultaneamente.

Read Full Post »

Mudança na frequência pode indicar alteração intestinal, afirma veterinária da Organnact

EXCLUSIVO | EU SEI que a pergunta pode soar estranha, mas a aparência e até a regularidade da fezes do seu cão também podem indicar como está a saúde do seu bicho – do mesmo jeito que acontece com a gente. “Cães sofrem de intestino preso como os humanos”, avisa a médica veterinária da Organnact, Adriana Dausen Meyer.

MAS intestino preso não é o único problema dessa ordem que podem afligir o seu melhor amigo. Conversamos com a veterinária da Organnact e abaixo estão algumas dicas de como identificar se o cachorro está com seu intestino como um reloginho, ou não. Confira:

REGULARIDADE que um cão deve defecar

O ideal é o cão defecar o mesmo número de vezes que se alimenta, mas deve defecar pelo menos uma vez a cada dois dias – fezes macias e bem formadas.

CAUSAS da maior regularidade

Qualquer mudança na freqüência da defecação indica alteração. A maior freqüência pode estar associada a dietas muito ricas em fibras, quantidade muito grande de ração, baixa qualidade da ração, distúrbios pancreáticos ou hepáticos, entre outros fatores.

O diagnóstico deve sempre ser feito por um veterinário porque o aumento ou diminuição na freqüência da defecação é apenas o reflexo de alguma condição adversa, nunca é um problema isolado. Por isso o importante é estar sempre de olho no seu animalzinho, fornecer ração adequada, água a vontade, ambiente agradável, suplementação com probióticos, muito carinho e consultar periodicamente o veterinário.

QUANDO ele não defeca

As principais causas de intestino preso podem ser:

Causas Mecânicas: causando obstrução ou dificultando a passagem do bolo fecal. Como exemplos de causas mecânicas podemos citar tumores, corpos estranhos (bolinhas, bolas de pelo, brinquedos ou grande quantidades de vermes).

Causas Dietéticas: são fatores relacionados à dieta do animal que podem alterar o fluxo de passagem do bolo fecal. Como exemplos podemos citar dietas com baixo teor de fibras, quantidade/qualidade inadequada da ração, dieta muito seca e falta de ingestão de água.

Causas ambientais: São fatores externos que podem influenciar o trânsito intestinal, entre os principais podemos citar o frio e a falta de exercícios.

COMO ajudar o intestino do seu cão a funcionar regularmente

Com uma dieta adequada (qualidade, quantidade e água a vontade), exercícios regulares e ambiente adequado. A suplementação com probióticos auxilia na motilidade intestinal, manutenção da saúde intestinal e melhora da imunidade. Sendo que os probióticos podem ser encontrados em diversas apresentações: pó, palitos e gel.

LEIA também no CaninaBlog:

Probióticos para cachorros

Nós experimentamos os Pet Palitos

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: